Quero receber a newsletter TGW!

Viciadas anônimas

Prazer, eu sou a Nayara e sou uma viciada. Mas, viciada em que?

Há alguns anos me viciei em séries (naquela época não existia a Netflix, eram aqueles sites piratas que demoravam bastante para carregar), e sempre que possível, lá estava eu na frente do computador, vidrada. Mesmo que eu gostasse muito de assistir, deixava isso para as horas vagas. Mas a coisa piorou quando comprei um tablet e comecei a assistir enquanto trabalhava.

Por várias vezes dizia para mim mesma que iria parar porque já estava me atrapalhando em alguns aspectos da minha vida; algumas vezes não conseguia orar e nem ler a bíblia, porque ficava pensando no desenrolar daquele episódio em que eu estava. Então, acabava desistindo de ler ou orar por esse motivo.

Um dia, resolvi que iria parar mesmo e até consegui por algum tempo. A essa altura voltei a ter concentração nos estudos da Bíblia e oração; tinha até feito um esquema de oração intercessória para seguir por mês. Foi um período bem legal que experimentei.

Mas, tudo que tentamos fazer com nossos próprios esforços não vai muito além. Um login e uma senha de uma conta na Netflix, foi um gatilho para todo aquele vício voltar, com muito mais força, para minha vida. Tinha à mão uma gama de séries de todas as espécies, tudo que eu mais queria (e o melhor, não tinha aquela coisa de travar como antigamente). Começou aos poucos, mas logo me vi quase como vivendo dentro da ficção.

Cheguei a um ponto que, literalmente, passava todo o dia assistindo. Assistia enquanto trabalhava, levava o celular para cozinha e continuava vidrada em cada cena enquanto cozinhava e enquanto comia. Por várias vezes cheguei a assistir enquanto caminhava na esteira da academia e pasmem, no banho. Gente, não me julguem. Preciso mostrar para vocês como estava minha vida. Eu respirava isso. Minha vida toda girava em torno da ficção, mas só eu sabia disso, pois, de alguma forma, tentava sempre esconder do meu esposo para que ele não visse o quão viciada eu estava.

O estudo e a oração eram raros e com muita dificuldade de concentração, coisa que naturalmente já não tenho tanto.

Lá no fundo eu sabia que precisava de uma mudança, mas de mim mesma não possuía força, por isso sempre adiava. Até que uma hora vi o quanto a minha vida estava sendo prejudicada; vi o quanto achava normal mortes, traições, homossexualismo, enganos e até bruxaria. Isso me entristeceu muito e me aproveitei dessa oportunidade para pedir ajuda. Mas para quem? Para Aquele que me fez enxergar isso.

Lembro-me que foi no início da quarentena que conversei muito sério com Jesus. Assim, de coração aberto, sabe? Disse para Ele o quanto eu amava assistir tudo aquilo e que jamais conseguiria sozinha abandonar esse vício, mas que estava disposta a deixá-Lo agir em minha vida através do Espírito Santo. Todos os dias pedia força para vencer, mas confesso para vocês que a sensação na primeira semana foi de abstinência. Porém, essa sensação foi esmaecendo a cada dia e hoje, para a glória de Deus, me sinto livre. Sinto que minha alma está limpa. Já há alguns meses não sei mais nem o que é pensar em assistir aquilo que me afastava de Jesus, nem possuo mais esse desejo. Canalizei todo aquele vício para assistir coisas que realmente importam, aprendizados para a minha vida terrena e a eterna.

Talvez você não passe pela mesma situação que eu passei. Você pode pensar: ah, mas eu não sou assim, eu consigo me controlar. Eu entendo. Cada um conhece seus limites, mas muitas vezes nós mesmos não sabemos o que é melhor para nós. Apresente-se a Jesus e peça-Lhe que te mostre se você também é viciado em algo que te afasta dEle. Observe com cuidado aquilo que você lê, ouve e assiste, avaliando se essas coisas de alguma forma não te influenciam para o mal e desagradam nosso Pai celestial. Se sim, faça como eu fiz. Converse com Jesus e suplique Sua ajuda. Não será fácil abandonar, mas é possível em Cristo. Ele te capacitará e te dará força para mudar a partir do momento que você reconhecer a sua incapacidade de mudança por si próprio.

Independente de qual seja o seu vício, sua dificuldade, não desanime. Tenha em mente o que diz o apóstolo Paulo no livro de Efésios 6:13, onde encontramos o seguinte: “Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis”. Nesse texto encontramos a esperança da vitória. Deus é quem nos capacita a vencer. Ele não nos abandona na luta contra as ciladas de Satanás. Por isso, conhecendo as nossas limitações, nos oferece força e poder dos altos céus para que nEle sejamos mais que vencedores.

Por Sua graça, hoje posso dizer: “Prazer, eu sou a Nayara e não sou mais uma viciada.”

A Nayara é uma artesã e empreendedora. Ela mora em Minas Gerais com o seu marido.

1 comentário em “Addicts Anonymous”

  1. Oi Nayara gostei muito do seu texto, me identifiquei um pouco, quando eu tinha 17 para 18 anos, era bem viciada em séries de drama, em 2015, depois mais tarde em 2019, substituir a série dramática para uma série de vida simples e calma, gostei muito de ver Heartland ´´terra do coração´´. Depois só vi alguma série ou filme por causa das minha irmãs, tenho mais 3 irmãs, de idade bem próximas, então gostamos de ver juntas, em dupla ou as 4 mesmo. Não podemos deixar que essas coisas tomem tempo no lugar da nossa comunhão com Deus.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pesquisar
Girl writes in journal
The Girl Writes is a space created by women for women. Everything in a faith-based perspective. No adaptations necessary. Learn more.

Related Posts

The Gift of Suffering

Sofrimento, uma dádiva

Você já considerou o sofrimento como um presente? Estranho, não é? Mas como hoje falamos de sofrimento, espero que você venha a vê-lo também como uma bênção.

LER MAIS »
pt_BR