Larissa + Vinícius – Amor à distância

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Era uma vez…

The year was 1998, I was 4 years old, and my family lived in Itu, Brazil. My dad was the Youth Department Leader of the South Brazilian Union, and we often spent time with the Union Auditor’s family. The Auditor had three sons (the eldest was just a few months older than I), and the four of us regularly played and spent time together, until one day my family moved to serve in the United States and then Canada.

Dez anos depois, quando o MSN* era algo conhecido, eu estava on-line quando uma nova janela de bate-papo apareceu. Era o filho mais velho do auditor, o Vinícius. Ele queria saber sobre a tia dele e sua família que haviam se mudado recentemente para o Canadá e passaram alguns dias conosco. ‘’Eles chegaram bem? Como eles estão?’’ Respondi às perguntas, mas a conversa durou mais sete anos através do MSN, e-mails, Orkut**, Facebook, etc. Ele no Brasil, eu no Canadá.

*uma versão antiga de um aplicativo de mensagens, mas em nossos computadores porque ainda não tínhamos smartphones … loucura, né?!!
**uma rede social que existia antes do Facebook e que já se foi há muito tempo.

Naquele primeiro ano (2008), passávamos horas conversando no MSN todos os dias, e ele logo se tornou minha parte preferida da minha rotina. A internet me proporcionou muitas amizades, mas a do Vini era diferente. Nossas conversas eram o que eu aguardava todos os dias depois da escola. Não importava quantas janelas no MSN estivessem abertas ao mesmo tempo, a dele sempre tinha prioridade.

teens in the early 2000s

Em dezembro daquele ano, minha família foi ao Brasil e meu pai fez parte de um congresso de jovens em Curitiba – um congresso de jovens em que o Vini também estava. Foi a primeira vez que nos vimos depois de nos reconectarmos online e passamos o evento todo muito e extremamente tímidos na companhia um do outro.

We continued talking every day when I went home. Relatives started teasing and wiggling eyebrows. But Vini wasn’t a crush I was eager to talk about. I never wrote his name in journals or showed his pictures to my friends. He wasn’t a “maybe”. He was it. He was the mold anyone else would have to conform to fit. He was my “when you know, you know.” He was home.

No entanto… nós só tínhamos quatorze anos.

No início de 2010, nossas conversas começaram a ficar mais devagar. Comecei a passar mais tempo na biblioteca, lendo livros sobre desenho, fotografia e cinema clássico de Hollywood. Assisti todos os filmes da Deanna Durbin. Minha família e eu viajamos para a Califórnia pela primeira vez e depois para a Itália. Havia cada vez menos tempo para os bate-papos diários do MSN.

Em 2011, minha família se mudou para o outro lado do Canadá, e já nessa época o MSN e Orkut perderam sua importância e o Facebook era como mantínhamos contato com as pessoas. Eu e o Vinícius mandávamos mensagens um para o outro no Messenger: eu enviava uma mensagem num dia, ele respondia no dia seguinte, depois eu escrevia outro dia… Mantendo a calma. Nenhum queria ser o ansioso.

Mas toda vez que acontecia algo legal, ele era a mensagem que eu tinha que enviar. Ele esteve comigo durante minhas provas de natação e curso de salva-vidas. Seu plano era cursar veterinária após o ensino médio, então eu o encorajei a fazer um estágio na clínica veterinária da cidade. O que ele fez.

E durante essas conversas…algo mudou. Algo muito real. Real demais.

Em 2012, fomos ao Brasil para mais um encontro de jovens. Seu aniversário de 18 anos tinha acabado de passar e eu comprei para ele um jaleco de veterinário para entregar no evento. Mas chegando lá eu o evitei durante todo o evento, ficando perto dos meus amigos. Eu sabia que finalmente tinha acontecido. Ele estava pronto para uma amizade mais profunda do que a que já tínhamos. E, de repente, isso se tornou realmente assustador.

Eu amava nossa amizade! Por que arriscar complicá-la?!

Nas últimas horas do evento, o Vini me encontrou e disse que tinha algo para mim. Tentei mudar de assunto com o jaleco e as felicitações de aniversário. Ele me entregou um livro e cada um foi embora.

As primeiras páginas do livro foram preenchidas com letras de músicas que escutávamos ao longo de anos de bate-papos on-line, piadas internas, frases melosas e poemas. O restante das páginas foram cortadas e dentro das aberturas havia uma longa carta. Vou poupar os detalhes bobinhos da carta, basta dizer que era necessária uma resposta. Eu pedi tempo.

Nossas conversas se tornaram diárias novamente. Enviei a ele um e-mail desejando sorte em seu primeiro dia de trabalho “de verdade”, e ele me garantiu que tudo ficaria bem na noite antes do meu primeiro dia na universidade. Finalmente, no verão de 2013, nos tornamos “oficiais” para a grande surpresa de ninguém.

Depois de três anos de um relacionamento a longa distância, terminamos nossas graduações e nos casamos em uma cerimônia ‘pequena e íntima’ com mais de 300 amigos e familiares.

De alguma forma, já faz quatro anos desde 17 de julho de 2016. O jaleco está amarelado no fundo do nosso armário (por falar nisso, se você estiver cursando veterinária me manda uma DM), nosso apartamento outrora vazio agora está cheio de coisas e lembranças, e eu sei com toda certeza que sou a garota mais sortuda por poder “brincar de casinha” com meu melhor amigo todos os dias. Faz quatro anos e nossa história ainda está apenas começando.

1 comentário em “Larissa + Vinícius – A Long Distance Love Story”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Girl writes in journal
The Girl Writes is a space created by women for women. Everything in a faith-based perspective. No adaptations necessary. Learn more.

Related Posts

Cartas vivas

Na década de 1900, elas eram o “Whatsapp” do momento. Fico imaginando a sensação de saber que uma carta havia acabado de entrar na caixa

LER MAIS »
pt_BR
en_US ru_RU es_PE pt_BR